Bilhetim volta no dia 02-01-09

Caros amigos, ninguém é de ferro. Volto a postar junto com Nassar, Baleixe e outros colaboradores, a partir do dia 02 de Janeiro de 2009. Moderações poderão ser atualizadas, afinal, eu sempre estou na internet, ando com um ASUS e TIM WEB à tira-colo. Excelente entrada de ano. Que os Deuses acadêmicos nos reconduzam ao caminho da racionalidade.

Carta aberta ao prof. Alex Fiúza de Mello

*Prof. Edir Veiga

Professor Alex Fiúza.

Hoje, 23 de dezembro, li atentamente sua carta apresentada na reunião plenária do CONSUN e confesso, concluí que grande parte de suas “estocadas” estavam relacionadas à minha pessoa e ao grupo Tribo, que lhe apoiou por duas eleições consecutivas e, falando neste grupo, o senhor sabe que eu tenho o privilégio de ter um diálogo político especial com este, razão pelo qual me reportarei a este tema, de acordo com a evolução deste diálogo democrático. Metodologicamente procurarei discutir suas principais afirmações, para que fique gravado na história desta universidade, as minhas versões sobre os fatos.

1-Antes de iniciar o diálogo com o seu texto, cabe um tema introdutório. No curso de seus diversos aparteamentos e intervenções, nos debates do CONSUN, o senhor afirmou que não citaria o nome de seus “detratores” para não coloca-los na história da UFPA, devido a estas pessoas serem insignificantes politicamente. Portanto iniciarei meu debate relembrando ao senhor um pouco de minha história na UFPA.

Em 1982 eu já era presidente do Centro Acadêmico de Odontologia, diretor do DCE, e em 1984, eu mobilizei o campus de Santarém em apoio ao candidato José Seixas Lourenço. Neste período, também, apoiei um candidato funcionário à direção do Centro de Humanos, o sociólogo e sindicalista Epifânio Parente, nesta eleição o senhor elegeu-se Diretor de Centro de Humanas. Em 1988, eu e meu grupo político, apoiamos a chapa de Nilson Pinto à reitoria da UFPA, onde o senhor foi convidado e ocupou o cargo de Pró-Reitor de Extensão. Note professor Alex, eu não era apenas um apoiador, eu era um dos fundadores e um dos coordenadores de um gigantesco grupo político nas categorias discente e técnico-administrativo na UFPA. Nesta época eu já era diretor executivo da FASUBRA, Secretário Geral da Central Única dos Trabalhadores, seção Pará, e membro da direção nacional da CUT. Em 1990 conquistamos a ASUFPA e a transformamos em sindicato, a partir daí o grupo político ao qual eu era um dos principais coordenadores já exercia larga hegemonia nos movimentos sociais da UFPA, hegemonia esta que chegou até os anos 2000. Fui representante nos órgãos colegiados da UFPA por mais de dez anos, acompanhando todos os grandes debates travados neste conselho entre os anos de 1983 até o ano de 1994, quando então deixei de atuar no movimento sindical e me dediquei aos cursos de pós-graduação em nível de especialização, mestrado e doutorado, iniciando uma nova trajetória em minha vida universitária. Neste período fui laureado com medalhas comemorativas da UFPA. Portanto professor Alex, minha história está inscrita na vida da UFPA, na história da luta contra a Ditadura Militar, na luta pela democratização da UFPA e nas conquistas de melhores condições de vida para os trabalhadores desta universidade. Sou um daqueles que teve o privilégio de estar na direção de nosso movimento quando da conquista da isonomia salarial, Plano de Cargos, Carreira e Salários e outras conquistas sociais para os trabalhadores técnico-administrativos. Portanto professor Alex, mesmo que o senhor queira ofuscar, eu já faço parte da história da UFPA, existem mais de uma centena de páginas de jornais falando de minha atuação política na UFPA, não será a sua oportuna amnésia de minha história pessoal que apagará minha vida política na UFPA. O senhor sabe, ou deveria saber, que a mancha que paira sobre meu nome, deve-se aos confrontos nas eleições para reitor que travamos contra o aparelhamento partidário da UFPA. Estes fatos são mais de conteúdos políticos do que moral. Na UFPA não existe qualquer acusação contra mim, mas tão somente nos fóruns partidários, levados à frente, junto ao Ministério Público, por ex-adversários políticos do início da década de 1990, que haviam sido derrotados eleitoralmente no interior desta instituição. Aliás, desconheço derrota eleitoral em 24 anos de eleições para reitor da UFPA. Como vê senhor Alex Fiúza, não sou invisível na política universitária. Quanto à biografia acadêmica, sou um recém doutor e espero construí-la nos próximos anos, já tenho dois livros no forno, possuo mais de 80 artigos publicados em jornais, magazines e revistas, mas quero emplacar artigos internacionais, e este será meu objetivo nestes próximos anos. Neste momento não ambiciono cargos executivos. Sou um recém doutor em ciência política, mas sou um velho ativista política, eu poderia ter sido doutor aos 29 anos de idade, se minha opção não fosse a luta política por toda a década de 1980, até meados da década de 1990. O senhor sabe também, que em matéria de competição eleitoral, sou o único doutor em ciência política da região norte, que tem uma tese de doutorado em competição eleitoral, e nesta fonte o senhor bebeu nas eleições para a reitoria em 2001 e 2005.



Vamos ao seu texto e às suas afirmações.

2- “Ninguém, portanto, queira agora me ensinar a ser democrata e a conduzir o atual processo de forma transparente e honesta, pois quem duvida de minhas intenções, desconfia de minha integridade, me atira as pedras e me pré-julga não tem moral, nem ética, nem coerência, nem biografia para fazê-lo. Nenhum! Talvez me atribuam a priori a desconfiança com base no que justamente fariam – como já o fizeram – se estivessem em meu lugar. Tranqüilizem-se, senhores, porque não sou da vossa estirpe: não negocio consciência e coerência. O volume de calúnias plantadas em blogs, panfletos (como aquele do grupo intitulado de “Tribo”)”

Professor Alex.
Caso o senhor não entrasse nesta luta política sucessória, fatalmente o senhor nem seria notado no processo, mas o senhor entrou no ringue, bateu e levou sopapos políticos, marcou reuniões formais na SEGE, prestou contas de seus oito anos de gestão e solicitou que em troca de seu desempenho político à frente da reitoria, que os técnico-administrativos apoiassem a sua candidata à reitora, aliás, esta mesma tática o senhor usou com os docentes, e foi bem sucedido.
Onde está sua falta de ética administrativa e política?
No fato de o senhor ter chamado para si todas as conquistas dos últimos oito anos. O senhor há de convir de que sozinho jamais ganharia as eleições de 2001. Sabe que contou com muitas pessoas no seu apoio diuturno, lideranças estas, que caso o senhor não fosse o reitor nomeado, estariam correndo graves riscos de perseguições políticas e administrativas, como eu, por exemplo, que me expus de todas as formas possíveis, inclusive nos grandes jornais da cidade. O senhor professor Alex, esqueceu-se, ou fingiu esquecer, de que existem dezenas de lideranças sindicais que estavam apoiando o professor Maneschy nestas eleições. Estas lideranças são as mesmas que nas eleições de 2001 e 2005, marcharam lado a lado com a sua candidatura, e no mínimo merecem gratidão de sua parte.

Lembra das eleições de 2005 quando aquele seu ex-Pró-Reitor de Planejamento de 2001, soltou documentos questionando sua idoneidade moral, através daquela famosa lista do mensalinho da FADESP? Lembra quem lhe defendeu e finalizou com aquele debate? Foi o grupo TRIBO, inclusive o senhor participou ativamente das discussões acerca da linha política daquele jornal que liquidou politicamente com as investidas moralistas daquele ex Pró-Reitor. Portanto senhor Alex Fiúza, não seja injusto com este grupo que sempre lhe deu apoio e que o senhor quase liquidou na UFPA no ano de 2006, quando não cumpriu com as prometidas transformações administrativas no HUJBB assumidas na campanha de 2004. O senhor, ao contrário das promessas assumidas com as lideranças do HUJBB, manteve toda a velha casta administrativa, desmoralizando 54 lideranças sindicais do HUJBB e da TRIBO como um todo, levando à derrota deste grupo nas eleições do SINTUFPA. Só para relembrá-lo, em 2006 a chapa TRIBO obteve uma vantagem sobre a chapa de oposição ao SINTUFPA de 140 votos em toda a UFPA, e somente no HUJBB, esta chapa recebeu um chocolate da oposição com 200 votos de diferença. A TRIBO jamais tinha perdido uma única eleição neste hospital. Foi o senhor quem levou à derrota a TRIBO no HUJBB. Mas, apesar de tudo isso a Tribo estava calada. O senhor foi à vigilância e faltou com a verdade acusando-os de o terem abandonado porque o senhor não dera os cargos que eles pleitearam. Mal sabia o senhor que naquele grupo de servidores havia vários integrantes, simpatizantes e contumazes eleitores da Tribo. O senhor mexeu em onça com a vara curta. O jornal da Tribo, panfletário ou não, foi um ajuste de contas com o senhor, nada como um dia atrás do outro, nas disputas políticas.

Professor Alex Fiúza.
No Blog Tiquin, hoje denominado Bilhetim, travei uma luta política e ético-moral com sua conduta nestas recentes disputas eleitorais. O senhor deveria ter se licenciado do cargo, e feito sua peregrinação na condição de cabo eleitoral. Lembra do liberal Mário Covas? Ele se licenciou do cargo por seis meses para disputar sua reeleição ao cargo de governador de S.Paulo. Esta é a postura paradigmática para quem quer ser um ícone da postura ética na ação política. Não senhor Alex Fiúza, o senhor não agiu assim, o senhor convocou reuniões com funcionários na SEGE, usou a prerrogativa de reitor, no exercício do cargo para garantir a presença de todos os servidores de cada unidade para ouvi-lo. O senhor visitou todas as unidades administrativas pedindo voto em troca de suas realizações. O senhor foi um verdadeiro cavaleiro do apocalipse, quando dizia que se sua candidata não viesse a ser eleita, a UFPA viraria um caos. O senhor foi anti-ético quando fez questão de esquecer que o prof. Maneschy foi membro de sua equipe até há um mês antes das eleições. O senhor foi antiético com o professor Maneschy quando procurou pessoas que migraram para apoio a este candidato e desferiu-lhe, por trás, ataques morais pesadíssimos, acusando-o verbalmente, aos ouvidos de uma renomada professora e de outros interlocutores indecisos eleitoralmente, de corrupto e mau caráter, sem lhe dar qualquer possibilidade de defesa. Enfim senhor Alex Fiúza, você fez questão de ignorar que todo o movimento social organizado da UFPA, que lhe apoiou em 2001 e 2005, e que agora veio a apoiar o professor Maneschy, também são autores diretos e objetivos de todas as conquistas que a UFPA experimentou, sob o seu comando, entre os anos de 2001 até 2008.
Professor Alex, o senhor sabe, a história é feita pelos conglomerados sociais e não por uma única pessoa, como o senhor afirmou e reafirmou nesta sua enlouquecida e apaixonada corrida eleitoral. Não esqueça, esta campanha de Regina foi carregada pelo senhor e pelo exército de CD´s, e mesmo assim, a sua chapa foi derrotada. Ou seja, o fator decisivo de suas duas vitórias foram os movimentos sociais organizados. Foram estes aliados estratégicos que o senhor menosprezou nestes últimos 04 anos, estes mesmos que o senhor quase destruiu politicamente no episódio do HUJBB. Como um bumerangue, aconteceu aquilo que o poeta declama: "foi a volta do cipó de arueira no lombo de quem mandou dar".

“...quem, de fato, conspirou contra a tranqüilidade das eleições, contra o respeito mútuo entre colegas, atestando que, infelizmente, a universidade ainda possui, em seu meio, setores absolutamente despreparados para uma disputa política leal e de alto nível, pautada tão-somente no debate de idéias e de projetos e não em acusações infundadas e levianas. Acusações, aliás, de naipe semelhante àquelas que, durante a campanha, imputaram-me criminalizar os movimentos organizados nesta universidade, justamente aqueles que passam o cadeado em hospitais, invadem e depredam a reitoria, tentam impedir, pelo uso da violência, decisões democráticas dentro dos Conselhos e mantém servidores da Justiça Federal em cárcere privado...”

Senhor Alex Fiúza.
Como travar debates de idéia, se a CAESUN e a CEUP denunciavam que o prefeito do campus estava lhes oferecendo refeições, vale transporte, retelhamento das casas e comidas grátis no RU? Qual a diferença entre as disputas de baixo nível, utilizada pelas oligarquias políticas e econômicas e este tipo de prática política nas eleições para reitor? E as promessas em véspera de eleição de construção de prédios com gabinetes individuais para os docentes? Em oito anos nada disso foi feito, como faze-lo em seis meses, afinal, o atual reitor não tem como garantir a construção de prédios em uma outra gestão. Segundo engenheiros balizados, nenhum destes prédios, com estas características arquitetônicas, custaria menos de R$1.000.000,00 (hum milhão de reais). Ou seja, o senhor não pautou sua campanha política em cima de projetos e programas políticos, mas em cima de propostas que seduziam pelas trocas materiais imediatas, como fazem os velhos oligarcas, e o que é pior, são promessas de dificílima objetivação no curto e médio prazo, ou seja, estas propostas, poderiam entrar para a história como promessas demagógicas. Esta prática, ao cabo e ao fim das coisas, seria muito ruim para a fé na democracia, na política e nas instituições. No fundo, lá no fundinho, o pragmatismo eleitoreiro, em nome de uma avaliação apocalíptica, conduziu a sua ação política, professor Alex Fiúza.
Os princípios ético-morais passaram longe deste comportamento político. A razão instrumental, sem dúvida nenhuma, substituiu a razão dialógica neste tipo de conduta. Afinal, quem não está a altura de uma campanha de alto nível, não seria o próprio senhor, professor Alex?

E para finalizar professor Alex Fiúza.
O senhor fez questão de afirmar de que eu não tenho padrão intelectual para discutir qualquer tema com a sua ultra-superior inteligência, talvez a UFPA não saiba e eu preciso informá-la, nos últimos oito anos, o senhor seguidamente, em almoços em locais públicos, discutiu muitos temas acadêmicos e políticos comigo, sempre aos sábados e ou domingo, e nunca disse ou insinuou de que eu não tinha nível intelectual para dialogar com o senhor, inclusive publicamos artigos juntos, em uma revista de circulação nacional. Outra coisa, hoje as relações pessoais estão sectarizadas, induzidas pelas suas ações políticas dogmáticas, é tanto assim, que os apoiadores da candidata Regina, estão de “mauzinho” com velhos companheiros de outras jornadas. Sabe porque seus “apoiadores” hoje nos odeiam? Porque o senhor demonizou, exorcizou seus adversários políticos, no melhor estilo da inquisição. O senhor reduziu a política à concepção bi-dimensional do bem contra o mal. Este modelo reducionista em política reflete uma concepção pré-hieraclitiana e religiosa, no pior estilo, da vida e da política. Enfim o senhor foi absolutamente instrumental. Quanto a isso nada posso fazer. Espero sinceramente que o senhor continue com sucesso na sua vida, não desejo o seu mal, desejo-lhe sempre sucesso, afinal, passei oito anos ao seu lado, sem exigir barganha pessoal, em termos de bens materiais e sendo absolutamente companheiro e leal, dediquei o melhor de minha ação política em favor de um projeto acadêmico, encabeçado pelo senhor, professor Alex Fiuza. Não concordei com o nome indicado pelo senhor para a próxima reitoria, você tentou submeter a tudo e a todos ao seu chicote mandonista, como se fosse o dono das vontades. Senhor Alex Fiúza, sou intutelável.

Era o que eu tinha para externar, como testemunho que deve ficar registrado na história da UFPA, apesar de o senhor achar que eu sou um “nada” na história desta universidade. Sou um “nada” que lhe ajudou a emergir do auto-exílio para a vitória na UFPA em 2001, após oito anos, longe fisicamente da UFPA. E que agora, este mesmo “nada” foi um dos arquitetos da vitória eleitoral do prof. Maneschy.

* Edir Veiga é Dr. Em Ciência Política e professor adjunto da UFPA.

CONSUN homologa resultado da eleição para reitor e vice-reitor da UFPA

Em reunião extraordinária realizada nesta segunda-feira, dia 22, o Conselho Universitário da Universidade Federal do Pará (CONSUN/UFPA) homologou o resultado da eleição para reitor e vice-reitor da instituição realizada no último dia 3 de dezembro. Foram sete horas de reunião, das 9h às 16h, sem interrupções. Apresentadas as questões pertinentes à deliberação, a saber, a apuração contemplada no relatório da Comissão Eleitoral e a validade ou não de recurso interposto pela chapa “Compromisso de fazer ainda mais”, os conselheiros manifestaram-se em debate e votaram a respeito.

De 81 membros presentes no Conselho, 47 votaram a favor da homologação do relatório da Comissão Eleitoral, 30 se posicionaram em defesa do recurso que pediu a recontagem de votos e 4 se abstiveram. Como instância máxima para apreciação dos resultados eleitorais, o CONSUN segue, agora, ao próximo e último passo do processo eleitoral que é a elaboração da lista tríplice com o nome dos três candidatos mais votados, organizada em ordem decrescente de número de votos obtidos, a ser encaminhada ao Ministério da Educação para que o Presidente Luiz Inácio Lula da Silva nomeie o novo Reitor.

A reunião ganhou o máximo de transparência e publicidade, contando com a participação da imprensa, além de ter sido transmitida ao vivo por meio de link disponibilizado no portal da instituição (www.portal.ufpa.br) e telões dispostos nos auditórios da Reitoria e Setorial Básico do Campus Guamá. O Ministério Público e a Consultoria Pública do Estado do Pará não enviaram representantes embora tenham sido convidados formalmente.

Apresentados os dados de apuração da Comissão Eleitoral (consulte as tabelas abaixo), houve abertura para que a chapa “Compromisso de fazer ainda mais”, liderada pela professora Regina Feio, justificasse o recurso que interpôs com relação ao resultado prestado pela Comissão Eleitoral, solicitando a recontagem dos votos. Em primeira instância, tal recurso, que alegou fundamento na falibilidade humana, possibilidade de ocorrência de erro matemático e respeito ao direito de contradição, foi indeferido pela Comissão Eleitoral, porém apreciado em instância máxima pelo CONSUN.

Em resposta aos argumentos apresentados, a Comissão Eleitoral defendeu seu posicionamento declarando que não havendo comprovação real de fraude, não haveria necessidade de recontagem dos votos, expondo também esclarecimentos de dúvidas surgidas sobre os procedimentos tomados que conduziram à conclusão do resultado anteriormente divulgado.

Após réplicas e tréplicas por parte da representação da chapa recorrente e da própria Comissão Eleitoral, bem como da manifestação de conselheiros a respeito do assunto debatido, colocou-se em votação a proposta número 1 pela homologação do relatório da Comissão Eleitoral e a proposta número 2, que deliberou sobre a validade do recurso apresentado. A maioria de votos (47) veio, então, a favor da homologação do nome do Prof. Dr. Carlos Edilson de Almeida Maneschy como o candidato que obteve o maior número de votos na consulta à comunidade acadêmica. O novo Reitor, após ser nomeado pelo Presidente Lula, tomará posse em julho do ano que vem.

Texto: Jéssica Souza – Assessoria de Comunicação Institucional UFPA

Monólogos Só Litários.



- Calma, EU sou republicano.
- EU desafio, provem que eu estou conspirando.
...
..
.

Faz parte do meu show



Sem Legenda.

(Para os que assistiram a reunião do CONSUN.
...
..
.

Yes, NÃO temos bananas


O CONSUN provou que não é o parlamento de uma república de bananas.
...
..
.

Bilhetim tem novo colaborador

Observem que todas as postagens irônicas(diálogos democráticos e autoritários e etc) e, enriquecidas por fotos e ou caricaturas estão identificadas por códigos. Logicamente que este novo colaborador do Bilhetim está assinando com minha senha. Este novo parceiro ainda não apareceu como poster individual por causa de falta de tempo para credencia-lo no blog. Em breve a comunidade universitária vai identifica-lo. Bem vindo ao Bilhetim "Gregório de Matos Guerra" da UFPA. Quem vier a identifica-lo previamente ganhará um whisky fabricado na Escócia, que a professora Luthetana presenteou-me. Dica, ele é docente e um cidadão de primeira classe.

Os votos pelo respeito à vontade da comunidade universitária

12 estudantes, 08 servidores e mais 27 docentes, assim distribuidos: dois pró-reitores, 5 diretores de centro, dois diretores de núcleos acadêmicos, todos os professores que apoiaram Tancredi e mais os representantes da diversas categorias docentes, que não são ligados à administração superior, e que votaram de acordo com sua consciência democrática.

Estudantes e Professores ligados a Tancredi defenderam o resultado das eleições

Os alunos que representam a categoria discentes e os representantes docentes que apoiaram a candidata Tancredi, além do DCE, SINTUFPA e ADUFPA, foram intransigente em defesa dos resultado das urnas. O novo reitor eleito e confirmado pelo CONSUN tem a obrigação política e democrática de estabelecer um novo patamar de relacionamento da reitoria com as entidades representativas da comunidade universitária. Este foi o compromisso que que este segmento universitário exigiu do futuro reitor.

Conselheiros dígnos de nota 10

Estes conselheiros, eleitores de Regina, votaram pelo respeito ao trabalho da comissão eleitoral e pela defesa da autonomia e da democracia na universidade. Por isso são dígnos de nota 10 perante à comunidade universitária.

João Márcio representante da direção do IFCH
Roberto Dallagnoll- Pró-Reitor de Pesquisa
Sinfrônio- Pró-Reitor de Planejamento
Geraldo das Virgens_ Diretor do IG
Geraldo- Diretor do Instituto de Exatas
Josenilda- Diretora do Instituto de Educação- abstenção
Antônio José- Diretor de Jurídicas.
Eliete- Diretora do ICS
Gilberto- Diretor do NUMA

Petrus foi um leão em defesa da dignidade da comissão eleitoral

O professor Petrus demonstrou enorme dignidade na defesa do trabalho honesto, transparente e dignificante da comissão eleitoral. O presidente da comissão eleitoral revelou-se um grande debatedor e defensor intransigente do trabalho do grupo de pessoas que dedicaram parte de suas vidas, nos últimos meses, para garantir que a democracia na universidade não fosse vilipendiada. Parabens ao prof. Petrus e a toda comissão eleitoral.

47 X 30: Maneschy ganha e CONSUN afirma a comissão eleitoral

Após seis horas de muito debate o CONSUN, por maioria expressiva, homologou o resultado das eleições apresentado pela comissão eleitoral. O reitor da UFPA reconheceu a posição do CONSUN e declarou que Maneschy é o novo reitor legítimo da UFPA.

Diálogos Golpistas 05



Pouco antes do CONSUN

Ah Lex: Eu agora vou ter que posar de árbitro, mas se voces criarem um clima no CONSUN favorável a recontagem, eu apoio.

Rex Jina: Vou arrancar esta recontagem nem que seja com meu boticão.
...
..
.

República do Banana



Em entrevista ao Diário do Pará, o reitor afirmou: “A comissão (eleitoral) desconsiderou o recurso” da Chapa Regina-Licurgo.
Magnífica mentira.
A Comissão Eleitoral recebeu o recurso, analisou-o, respondeu ponto a ponto todas as questões apresentadas e por UNANIMIDADE refutou todos os argumentos apresentados por Regina e Licurgo indeferindo o recurso "por entendê-lo inconsistente e improcedente".
Reitor republicano?
Só se for de república de banana.
...
..
.

Reunião do CONSUN: QUEM NÃO PODE VOTAR

TÍTULO II
DA ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DOS ÓRGÃOS DEADMINISTRAÇÃO
SUBTÍTULO I
DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERATIVOS
CAPÍTULO I
DAS DISPOSIÇÕES GERAIS


Art. 8o Nenhum membro de órgão colegiado poderá votar nas deliberações
que, direta ou indiretamente, digam respeito a seus interesses pessoais.
=====================

O regimento geral da UFPA é bastante explicito no que se refere a
deliberacoes de seus orgaos colegiados. Ele veta no seu artigo 8o. o
direito a voto de varios membros do CONSUN na reuniao de segunda-feira.



1. Regina Feio Baroso (CONSELHEIRA);

2. Licurgo Brito (CONSELHEIRO);

3. Julio Cesar Pieczarka (SUPLENTE DE CONSELHEIRO);

4. Maria de Nazaré dos Santos Sarges (CONSELHEIRA);

5. Carlos Alberto Batista Maciel;

6. Sibele Maria Bitar de Lima Caetano (CONSELHEIRA);

7. Simone Baia (CONSELHEIRA);

8. Afonso Medeiros (CONSELHEIRO);

9. Luiz Otávio Mota Pereira (CONSELHEIRO);

10. Edna Maria Ramos de Castro (CONSELHEIRA);

11. Ney Cristina Monteiro de Oliveira (CONSELHEIRA).

Nenhum dos citados acima e talvez outros que não estão aqui listados
poderão votar.
Seria interessante que alguém se manifestasse quanto a esse
impedimento logo no inicio da reuniao. Talvez nem o Reitor possa votar
ja que tem interesse pessoal...

Flávio Nassar: As Metarmorfoses de um Golpe



Pensei que as chuvas de fim de ano e a aproximação do Natal pudessem amolecer os concretos de que parecem ser feitos os corações e mentes dos golpistas.

Pensei que se o Natal não trouxesse o espírito de fraternidade pelo menos traria o da sensatez.

Querem seguir alimentando ódios e criando ressentimentos, em vez de deixarem que o sentimento de bonomia, próprio desta época do ano, seja vivido pela comunidade universitária.

Se quiserem assim, assim será. Em vez de árvores de Natal, vamos de bordunas e tacapes (metafóricos é claro, como convém à Academia). Em vez de troca de presentes poderá acontecer trocas de insultos (já não tão metafóricos).

Se quiserem, em vez da roupa nova das festas, já estamos aqui pintados de urucu e jenipapo.

Vamos à guerra!

Primeiro aos fatos. A consulta à comunidade acadêmica para a indicação do reitor da UFPA (2009-2013) transcorreu dentro da normalidade e de acordo com as normas aprovadas por unanimidade no Conselho Universitário (CONSUN).

Venceu o Professor Carlos Maneschy. Suplantou a segunda colocada, a candidata golpista por uma diferença equivalente a 33 votos docentes, ou 31 votos de funcionários, ou 412 votos de estudantes. Mais ainda, como a consulta foi transformada em plebiscito pela atual administração - eles contra os outros - os votos dados à oposição representaram 70% do universo de votantes.

Então os golpistas colocaram em marcha o plano de tumultuar a apuração das eleições. Esperavam criar um clima de confusão, que colocasse em risco a lisura do pleito: a lista tríplice indicada pelo CONSUN não seria a consagração da consulta à comunidade, mas uma simples lista da qual um dos componentes poderia ser legitimamente indicado reitor.

Brasília foi consultada e a resposta foi: - NÃO, o reitor indicado será o primeiro da lista apontada pela comunidade !

Então começou o Plano B do Golpe, pedir a recontagem dos votos.

Os derrotados, que na noite da apuração haviam reconhecido a derrota, em manifestação pública de seu advogado, recorreram à Comissão Eleitoral. A Comissão por unanimidade refutou todos os argumentos apresentados por Regina e Licurgo indeferindo o recurso "por entendê-lo inconsistente e improcedente".

Agora mais uma vez, desafiando a sensatez, a lógica e a etiqueta democrática, recorrem ao CONSUN para que sejam recontados os votos.

O atual cenário é ainda tumultuado pela recente entrevista concedida pelo atual reitor ao portal da UFPA na última sexta-feira, 12 de dezembro.

O raciocínio límpido, a inteligência, as idéias republicanas, marcas do pensamento do reitor, se obscureceram na entrevista, quase uma das tristemente famosas "ordens do dia".

Nada justifica a manifestação do reitor insinuando que a recontagem dos votos é democrática quando as vitórias acontecessem por pequena margem.

Em primeiro lugar a diferença não foi mínima como já demonstrado acima; em segundo a recontagem se justificaria se o processo tivesse sido tumultuado, se houvesse indícios de vício, muitos recursos e impugnações. Nada disso houve, basta consultar as atas das seções eleitorais que demonstram a tranqüilidade do pleito.

Na recente eleição para prefeito do Rio de Janeiro, Fernando Gabeira ficou em segundo lugar, com pequena diferença em relação ao primeiro colocado. Em respeito à legitimidade do processo eleitoral, assim que se enceraram as apurações e sem que tivessem decorridos os prazos recursais, como o pleito ocorrera com normalidade, reconheceu a vitoria do adversário.

Isso é democrático, isso é republicano.

Preparado o clima, os derrotados recorreram ao CONSUN. Não apresentaram nenhum novo argumento, acrescentaram apenas mais um elemento anti-democrático: requerem a retirada dos membros da Comissão Eleitoral da reunião do CONSUN apreciará o referido recurso.
Querem calar a Comissão Eleitoral porque os seus argumentos são definitivos: “A disputa acirrada entre os quatro candidatos ... fez que os cuidados com o processamento e sistematização dos números fossem desdobrados em múltiplas contagens, conferências e verificações, procurando sempre minimizar os erros decorrentes da falibilidade humana.”

Até quando, ousareis abusar da nossa paciência?

Queda dos golpistas: se ficar o bicho pega, se fugir o bicho come II

No plano estadual e federal não existe espaço de manobras aos golpistas, todos já sabem o que está ocorrendo na UFPA. Todos já sabem que uma eleição limpa está sob conspiração golpistas. Todos já conhecem a versão de Maneschy sobre as queimações de bastidores.

A queda da panelinha: se correr o bicho pega, se ficar o bicho come

Não há saida para os golpistas em qualquer cenário, mesmo no cenário golpista, eles não levam mais esta reitoria. O pior cenário, eles anulariam as eleições. Eles receberiam um rolo compressor jamais visto na história da UFPA. A comunidade universitária, seus principais atores se juntariam contra os golpista. Seria a luta da autonomia e democracia universitária contra os golpistas, seria um massacre eleitoral.

TCE remove mais uma arma do golpe

Por decisão do Tribunal de Contas o prof. Carlos Maneschy foi retirado da lista negativa. Na verdade a peça do tribunal era mais um documento que atestava a idoneidade de Maneschy do que outra coisa. Esta decisão contibrui para esvaziar ainda mais o discurso golpista da chapa oficial.

Diálogos Democráticos 01.




Na sala de Justiça do DCE.
- faB oG: Companheiros, o nosso grupo já fechou questão, vamos votar pela legalidade em apoio à Comissão eleitoral.
- Comp 02: O nosso grupo também, vamos votar e mobilizar a companheirada.
- Comp 03: Então seremos 12 votos pela Democracia...
...
..
.

Diálogos Golpistas 04


Enquanto isto, na reitoria...
- E o Conselheiro Z, como vota ?

- Esse vota conosco, eu prometi um Laboratório novinho pra ele.
...
..
.

Beira do Rio: saiu hoje e não dá nenhuma linha sobre as eleições para reitor

pois é meus e minhas, o Beira do Rio acaba de sair do forno. Nenhuma linha sobre as eleições para reitor. Isto é que é republicanismo.

Governadora conversa com Maneschy e declara apoio

A governadora Ana Júlia Carepa recebeu em audiência hoje(18-12-08) o professor Carlos Maneschy. Na ocasião a governadora reconheceu Maneschy como o reitor eleito e firmou compromisso em lutar para ver o prof. Carlos Maneschy nomeado como reitor da UFPA para o quadriênio 2009-2013.

A política, a ética e a luta pelo poder de Estado

1- Ao longo da história humana, no período antigo, medieval e no início da idade moderna, no mundo ocidental, o poder político foi conquistado e mantido através da luta armada.

2- Um breve experimento democrático ocorreu na Grécia antiga, mas precisamente em Atenas, no século V antes de Cristo, através da invenção da democracia. Mas esta democracia era oligárquica, xenofóbica, escravagista e sexista.

3- O iluminismo introduz a revolução nas forças produtivas, com ela emerge o capitalismo industrial, a burguesia e o proletariado. A democracia liberal censitária, consolidada no pós-revolução gloriosa inglesa de 1688, é substituida ao longo do século XX pela democracia de massas, como consequência da luta do proletariado europeu e americano.

4- Maquiavel em sua notável obra " O Príncipe" inaugura a ciência política moderna, descrevendo a política como ela é: inventa o realismo nas análises políticas. Ou seja, a real politiqué é radicalmente separada de preceitos éticos e morais, em síntese, Maquiável nos apresenta a imagem real de que é ao longo dos tempos, a luta política. O que de fato conta é o 'Vale Tudo".

5- O esforço da filosofia política e dos intelectuais comprometidos em patrocinar uma revolução civilizatória na luta pacífica pelo poder de Estado, vai no sentido de institucionalizar preceitos legais que impeçam o vale tudo na luta pelo poder de Estado.

6- Impedir o vale tudo significaria: evitar o uso da máquina pública nas disputas eleitorais, impedir a extração de recursos públicos do Estado para benefício pessoal ou de grupo, criar mecanismos institucionais para a fiscalização dos agentes públicos, publicização das contas dos governantes, inclusive das autarquias e fundações, etc.

7- Em qualquer disputa político-eleitoral, sob a qual são abandonadas os preceitos ético, morais e de respeito aos interesses públicos, a disputa descamba para a irracionalidade, o caráter pacífico da disputa assume característica de luta física, armada, pelo poder.

8- Quando a ética dos meios substitui a ética dos fins, podemos afirmar peremptoriamente, que a razão instrumental está substituindo a razão comunicativa e esta é a pré-condição para que a democracia degenere e a intolerância substitua o diálogo político. As perseguições tornam-se lugares comuns, como métido de ação política e administrativa

9- Na UFPA, todos sabemos, a comissão eleitoral afirma e comprova, que não houve nenhum pedido de impugnação, ou declaração de irregularidades, constada em ata, em nenhuma das urnas apuradas, quando das eleições para a reitoria da UFPA. A lei eleitoral não permite recurso, quando as irregularidades, caso existam, não tenham sido constadas em atas, no ato da apuração. Quando o reitor apóia explicitamente o pedido de recontagem de votos no CONSUN, já comete um ato ilegal originário, pois este é um direito precluso.

10- O reitor deveria ter pedido um parecer ao TRE, ou a um jurista reconhecido, sobre a temática, só então atenderia ou não a solicitação de um pedido de reunião do CONSUN, que na origem é ilegal. A comissão de legislação e normas do CONSUN deveria ter sido consultada previamente, e deveria negar o pedido nas preliminares, não precisaria convocar o CONSUN para analisar um pedido irregular na origem. Mesmo que o CONSUN seja uma instância recursal.

11- Só para exemplificar: se eu sei que é proibido invadir propriedade particular, caso eu venha pedir ao judiciário a permissão para invadir uma casa, o judiciário nem apreciará analisar meus argumentos, e deverá negar meu pedido nas preliminares: é proibido invadir, e ponto.

De urnas, Lacres e golpes.

Vocês sabiam que as urnas não foram lacradas e devidamente assinadas, em cima dos lacres, pelos fiscais das chapas, após a apuração no dia 03 de dezembro? Vocês sabiam que as urnas estão sem lacre todos estes dias na reitoria? Porque será que esta turma quer tanto recontar estes votos, mesmo sabendo que não houve, um único pedido de impugnação, por nenhum fiscal, em nenhuma das urnas? Que a lei eleitoral é clara: é direito precluso quando coloca-se sob suspeição uma, ou várias, ou todas as urnas de uma eleição, não tendo tido previamente o cuidado de ter inscrito em ata, no momento do fechamento das urnas, as irregularidades a serem denunciadas às instâncias eleitorais superiores. Ou seja, o CONSUN, mesmo em nome da autonomia, não pode cometer nenhum ato contra a lei. Recontar votos de uma eleição, onde nenhuma irregularidade foi constada em ata, no ato do fechamento destas urnas, é um ato arbitrário, porque é contra a lei eleitoral. Portanto, os conselheiros do CONSUN, em nome da democracia, da legalidade e da seriedade, não poderão acatar um pedido, na essência ilegal.

Reunião do CONSUN: telão transmitirá a reunião em tempo real

Todos os defensores da tese reitor eleito, reitor empossado estão convidados a participarem da manifestação em defesa da democracia na UFPA e contra a tentativa de golpe patrocinado pela chapa de Regina, com o apoio explícito do reitor. Este ato acontecerá nesta segunda (22-12-08) na reitoria. Na ocasião todos acompanharão a reunião através de um telão a ser instalado na reitoria. Esperamos que nenhum ato anti-democrático tente impedir esta ação preventiva contra este golpe pré-anunciado.

Comitê reitor eleito, reitor empossado transmitirá on line reunião do CONSUN

O comitê reitor eleito, reitor empossado transmitirá ao vivo, pela internet, através da página do professor Maneschy (http://www.maneschyreitor.net/), a reunião do CONSUN que apreciará a proposta ilegal e de conteúdo golpista da chapa de Regina. Esta reunião será na segunda dia 22 de dezembro, às 9hs da manhã.

Reitoria da vingança: a perseguição continua

Uma notável funcionária, cargo de confiança da reitoria e reconhecida como uma executiva muito competente e promoter por vocação, está sendo perseguida na UFPA, neste momento. O motivo deste ato de exceção é pelo fato da mesma ter participado ativamente da coordenação da campanha do professor Maneschy. Esta funcionária até há pouco tempo era vista com muito carinho pela administração superior da UFPA, hoje é vista como uma bruxa traidora. Dizem que os PAD's vão proliferar pela UFPA nos próximos seis meses. Este teria sido o juramento dos portavozes do maior dirigente da UFPA.

Ela só pensa naquilo ...


RECONTAR OS VOTOS.
...
..
.

DCE fecha questão contra o Golpe


Os 12 integrantes da bancada estudantil fecharam questão, vão votar pelo respeito a decisão da Comissão eleitoral.
É o Movimento Estudantil fazendo jus a melhor tradição democrática do qual faz parte.
...
..
.

Reunião do CONSUN será nesta segunda-22/12/08

Será nesta segunda feira (22-12-08) a reunião do CONSUN com o objetivo de apreciar, em segunda instância, o recurso da chapa de Regina visando a recontagem global dos votos das eleições para reitor. Em primeira instância, a comissão eleitoral, por unanimidade, recusou o pedido da chapa oficial. Quando da apuração dos votos, no dia 03, 04 e 05 de dezembro, nenhum recurso foi interposto por nenhuma chapa. De acordo com a lei eleitoral, qualquer recurso para prosperar, tem de ser registrado em ata no momento da apuração dos votos. Qualquer recurso a posteriori é considerado direito precluso. Apesar da diferença ter sido vistosa: 412 de estudantes, ou 33 votos de professores ou 31 votos de funcionários, a turma chapa branca insiste em tumultuar o processo de homologação, pelo CONSUN, do resultado eleitoral. A tática é simples e de conhecimento de todos: a ordem é melar o processo de homologação dos resultados para que haja "controvérsias" na reunião do CONSUN. A PARTIR DESTA TÁTICA, ALEX JURA QUE MANDA NOMEAR REGINA EM BRASÍLIA. Esta é uma tentativa cínica e antidemocrática, jamais vista na história da UFPA. Será que o Ministro da Educação sabe desta tática e concorda com ela? duvido.

Reunião do CONSUN: 7 razões para os conselheiros homologarem o trabalho da comissão eleitoral

1- Porque todo o processo eleitoral foi tranqüilo e nenhuma chapa registrou em ata qualquer indício de irregularidade.

2- Porque a comissão eleitoral realizou um trabalho honesto, sério e tecnicamente perfeito. Na justiça eleitoral brasileira qualquer denúncia para prosperar precisa ser registrada em ata pelos fiscais das chapas ou candidatos. Solicitação à posteriori é considerado direito precluso.

3- Porque todos os membros do CONSUN têm uma biografia pessoal e profissional e acima de tudo um compromisso ético com a verdade. A comissão eleitoral, nomeada pelo CONSUN, é a fiadora de todo o processo eleitoral democrático, e se conduziu de forma exemplar na arbitragem deste processo.

4- Reconhecer o esforço da comissão eleitoral é homologar todo o seu trabalho à frente deste processo eleitoral.

5- Porque os conselheiros têm um compromisso com a imagem da UFPA na sociedade e com a tradição democrática em particular. A comunidade universitária tem sido a vanguarda de um método de disputa eleitoral baseada no debate e na aceitação dos resultados eleitorais. Nos momentos em que esta tradição foi ameaçada a UFPA se transformou em campo de guerra, como em 1997 e 2001.

6- Porque os conselheiros têm autonomia analítica e em nenhuma hipótese cairão na tentação particularista de nenhum grupo com pretensões oligárquica.

7- Porque a comunidade universitária espera de seus representantes no CONSUN, que é o nosso parlamento acadêmico, um comportamento ético, que venha a reconhecer o excelente trabalho da comissão eleitoral, e independente das preferências eleitorais de cada membro do CONSUN, homologuem o resultado eleitoral e sejam agentes do aprofundamento da crença democrática para que a democracia em nossa universidade não vire sinônimo de potoca.

Este é o CONSUN: o parlamento acadêmico

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ
SECRETARIA-GERAL DOS CONSELHOS SUPERIORES DELIBERATIVOS

CONSUN
MEMBROS
MANDATO
FONE
E-MAIL
Reitor
Alex Bolonha Fiúza de Mello

2005 - 2009
reitor@ufpa.br

Vice-Reitor
Regina Fátima Feio Barroso

2005 - 2009
rebar@ufpa.br

PROAD
Simone Andréa Lima do Nascimento Baía

2005 - 2009
simonebaia@ufpa.br

PROEG
Licurgo Peixoto de Brito

2005 - 2009

9991-4057
licurgo@ufpa.br

PROEX
Ney Cristina Monteiro de Oliveira

2005 - 2009
neycmo@ufpa.br

PROPESP
Roberto Dall’Agnol

2005 - 2009
robdal@ufpa.br

PROPLAN
Sinfrônio Brito Moraes

2005 - 2009
sbrito@ufpa.br

PROGEP
Sibele Maria Bitar de Lima Caetano

2005 - 2009
sibele@ufpa.br

PREFEITURA
Luiz Otávio Mota Pereira
Paulo Celso P. Sette Câmara Fi
pereira@amazonline.com.br

ICB
Titular: José Luiz Martins do Nascimento
Suplente: Júlio César Pieczarka
Rep. CONSEPE: Maristela Gomes da Cunha
Sup. CONSEPE: Eduardo José de Melo dos Santos

08.01.2006
08.01.2010

10.10.2007
10.10.2009
jlmn@ufpa.br

mgcunha@ufpa.br


ICEN
Titular: Geraldo Narciso da Rocha Filho
Suplente: Petrus Agrippino Alcatara Junior
Rep. CONSEPE: Petrus Agrippino Alcantara Junior
Sup. CONSEPE: Maria Regina Madruga Tavares

31.03.2006
31.03.2010

2007 - 2009
narciso@ufpa.br


petrus@ufpa.br
ICJ
Titular: Antônio José de Mattos Neto
Suplente: Hermes Afonso Tupinambá Neto
Rep. CONSEPE: Marlene Rodrigues Medeiros
Sup. CONSEPE: Francisco Rodrigues de Freitas
2008 - 2012
2007 - 2009
ajmattos@ufpa.br

marlenefreitas@amazon.com.br
ffreitas@ufpa.br

ICED
Titular: Josenilda Maria Maués Silva
Suplente: Ivany Pinto
Rep. CONSEPE: Ana Maria Orlandina Tancredi Carvalho
Sup. CONSEPE: Rosimê da Conceição Meguins
mar. 2006
mar. 2010

2007 - 2009

jomaues@ufpa.br
ivany.pinto@gmail.com
anatanc@ufpa.br

ICS
Titular: Eliete Cunha Araújo
Suplente: Rosa Maria Dias
Rep. CONSEPE: Laélia Maria Barra Feio Brasil
Sup. CONSEPE: Marly de Fátima Carvalho Melo
13.03.2006
13.03.2010

28.11.2007
28.11.2010
elietearaujo@superig.com.br
rosa@ufpa.br
laelia@ufpa.br
mfcm@ufpa.br

IFCH
Titular: Maria de Nazaré dos Santos Sarges
Suplente: João Marcio Palheta da Silva
Rep. CONSEPE: Ana Maria da Silva Martins
Sup. CONSEPE: Sandra Bernadete da Silva Moreira
2006 – 2010

26.04.2007
26.04.2009
sarges@ufpa.br
ams_martins@hotmail.com

IG
Titular: José Geraldo das Virgens Alves
Suplente: João Batista Miranda Ribeiro
Rep. CONSEPE: Vladimir Araújo Távora
Sup. CONSEPE: VAGO
28.02.2006
28.02.2010
jgvalves@ufpa.br
vladimir@ufpa.br

ILC
Titular: Luiz Roberto Vieira de Jesus
Suplente: Rosa de Souza Brasil
Rep. CONSEPE: Alzerinda de Oliveira Braga
Sup. CONSEPE: Maisa de Souza Navarro

2006 - 2010

08.05.2008
08.05.2010
robervi@ufpa.br
braga@ufpa.br
maisanavarro@yahoo.com.br

ICSA
Titular: Maria Elvira de Sá
Suplente: Maurício Sena Filho
Rep. CONSEPE: Maurício Sena Filho
Sup. CONSEPE: Yolanda Shirley

2006 - 2010
melvira@ufpa.br
msfilho@ufpa.br
msfilho@ufpa.br

ITEC
Titular: José Augusto Lima Barreiros
Suplente: José Perilo da Rosa Neto
Rep. CONSEPE: José Perilo da Rosa Neto
Sup. CONSEPE: Eduardo de Magalhães Braga
30.03.2006
30.03.2010

01.08.2007 01.08.2009
barreiro@ufpa.br
perilo@ufpa.br
perilo@ufpa.br

ICA
Titular: José Afonso Medeiros de Souza
Suplente: Lia Braga Vieira
Rep. CONSEPE: Lia Braga Vieira
Sup. CONSEPE: Giselle Guilhon Antunes Carvalho
2007 – 2011


21.12.2006
21.12.2010
saburo@uol.com.br
lbvieira@ufpa.br
giguilhon@yahoo.com.br

IECOS
Titular: Horácio Schneider
Suplente: Luci Cajueiro Carneiro Pereira
Rep. CONSEPE: Luci Cajueiro Carneiro Pereira
Sup. CONSEPE: Wilsea Figueiredo

05.11.2007
05.11.2011
horacio@ufpa.br
cajueiro@ufpa.br
wilsea@ufpa.br

NCADR
Titular: Paulo Fernando da Silva Martins
Suplente: Laura Angélica Ferreira
Rep. CONSEPE: Aquiles Vasconelos Simões
Sup. CONSEPE: Maria das Graças Pires Sablayrolles

01.02.2008
01.02.2012

01.02.2008
01.02.2010
pfsm@ufpa.br
aquiles@ufpa.br
mpires@ufpa.br

NAEA
Titular: Edna Maria Ramos Castro
Suplente: Thomas Piter Hurtienne
Rep. CONSEPE: Armin Mathis
Sup. CONSEPE:



30.11.2008

edna@amazon.com.br
armin@amazon.com.br

NMT
Titular: Luis Carlos de Lima Silveira
Suplente: Maria da Conceição Nascimento Pinheiro
Rep. CONSEPE: Walter Wanderley Amoras
Sup. CONSEPE:
luiz@ufpa.br
wwamoras@ufpa.br

NUMA
Titular: Gilberto de Miranda Rocha
Suplente: Wagner Luis Ramos Barbosa
Rep. CONSEPE: Wagner Luis Ramos Barbosa
Sup. CONSEPE: Sergio Cadoso de Moraes
16.06.2005
16.06.2009
gilrocha@ufpa.br
barbosa@ufpa.br
scmoraes@ufpa.br

NPADC
Titular: Terezinha Valim Oliver Gonçalves
Suplente: Adilson Oliveira do Espírito Santo
Rep. CONSEPE: Tadeu Oliver Gonçalves
Sup. CONSEPE: Isabel Cristina Rodrigues Lucena
mai. 2007
mai. 2011


04.08.2008
03.08.2010
tvalim@ufpa.br
tadeuoliver@yahoo.com.br

ABAETETUBA
Titular: Francisca Maria Carvalho
Suplente: Afonso Wellington de Souza Nascimento
Rep. CONSEPE: Georges Alberto Pinheiro
Sup. CONSEPE: Afonso W. S. Nascimento

2007 - 2010


fev. 2007 fev.2009
fmc@ufpa.br
afonsosn@ufpa.br
geopin@ufpa.br

ALTAMIRA
Titular: Rainério Meireles Silva
Suplente: Francisco Plácido Magalhães Oliveira
Rep. CONSEPE: Fábio Leandro Halmenschlager
Sup. CONSEPE: Renata C. Rodrigues Noronha
set. 2008
set. 2010

set.2008
set.2010
rmsilva@ufpa.br
placido@ufpa.br Este endereço de e-mail está protegido contra spam bots, pelo que o Javascript terá de estar activado para poder visualizar o endereço de email
flh@ufpa.br
rcrn@ufpa.br

BRAGANÇA
Titular: Rosa Helena Sousa de Oliveira
Suplente:
Rep. CONSEPE: Pedro Andrés Chira Oliva
Sup. CONSEPE: Maria Iracilda Sampaio
07.2005
07.2009

mar. 2007 -
mar. 2009

rhelena@ufpa.br

chira@ufpa.br

BREVES
Titular: Carlos Élvio das Neves Paes
Suplente:
Rep. CONSEPE: Tatiana Maria Holanda Landim
Sup. CONSEPE: Neide Maria Fernandes Rodrigues de Souza

2007 - 2009
carlos@ufpa.br
tlandim@ufpa.br

CAMETÁ
Titular: Gilmar Pereira Silva
Suplente: Doriedson do Socorro Rodrigues
Rep. CONSEPE: Doriedson do Socorro Rodrigues
Sup. CONSEPE: Ângela Sampaio
03.2006
03.2010


2008 - 2010
gpsilva@ufpa.br
doriedson@ufpa.br
angelamvs@ufpa.br

CASTANHAL
Titular: Adriano Sales dos Santos Silva
Suplente: Ana Cristina P. Carneiro de Almeida
Rep. CONSEPE: Leônidas Olegário de Carvalho
Sup. CONSEPE:
02.2007
02.2011

2007 - 2009

asss@ufpa.br
anacpca@ufpa.br Este endereço de e-mail está protegido contra spam bots, pelo que o Javascript terá de estar activado para poder visualizar o endereço de email
leoc@ufpa.br

MARABÁ
Titular: Zenaide Carvalho da Silva
Suplente:
Rep. CONSEPE: Lorena Santiago Fabeni
Sup. CONSEPE: Evaldiney Ribeiro Monteiro
07.2008
01.2009

20.03.2007 20.03.2009
zenaide@ufpa.br
lsfabeni@ufpa.br

SANTARÉM
Titular: Maria Marlene Escher Furtado
Suplente: Juarez Bezerra Galvão
Rep. CONSEPE: Ricardo Bezerra
Sup. CONSEPE: Ronaldo Mendes
29.11.2006
29.11.2010

mar. 2007
mar. 2009
marlenescher@ufpa.br
juarezgalvao@ufpa.br
rbo@ufpa.brEste endereço de e-mail está protegido contra spam bots, pelo que o Javascript terá de estar activado para poder visualizar o endereço de email

SOURE
Titular: Maria Luizete Sampaio Sobral Carliez
Suplente: Maria Justina de Farias Sabóia Santos
Rep. CONSEPE: José Rinaldo Lobato
Sup. CONSEPE: Fernando Maués de Faria Júnior
08.2008
08.2012
2007 - 2009
mcarliez@ufpa.br
rinaldo@ufpa.br
fernandomaues@yahoo.com.br

ESCOLA DE APLICAÇÃO
Titular: Walter da Silva Júnior
Suplente: Arnaldo do Socorro Marques da Silva
Rep. CONSEPE: Arnaldo do Socorro Marques da Silva
Sup. CONSEPE: José Carlos Pojo
01.03.2006
-
28.02.2010

2007 - 2009
walsvjur@ufpa.br
arnalsil@ufpa.br
HUJBB
Titular: Luiz Alberto Rodrigues de Morae
dirhujbb@ufpa.br
HUBFS
Titular: Paulo de Tarso Ribeiro de Oliveira
pttarso@gmail.com
TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS

Daniela Viana Cortez de Souza
Darciel Bezerra de Oliveira Filho
Izabel Cristina Colares Gomes CONSAD
João Cauby de Almeida Júnior
José Batista Santana
José Guilherme Barbosa Dergan
Raquel Trindade Borges
Aldair da Silva Guterres
Margaret Moura Refkalefsky CONSEPE
Cleide Raiol Nascimento
Gabriel Antonio Ribeiro de Oliveira
Gilmar Wanzeller Siqueira




fev. 2007
-
fev. 2009
danicortez@ufpa.br
darcielfilho@bol.com.br
izabelcg@ufpa.br
jcaubyj@ufpa.br
jobasan@ufpa.br
jgdergan@ufpa.br
raquel@ufpa.br
guterres@ufpa.br
ref.margaret@uol.com.br
raiolcleide@hotmail.com
gabriel@ufpa.br
gilmar@ufpa.br

DISCENTES
Anderson Roberto Melo de Castro
Rafael Giovane
Talison Rege Furtado Silva
Taís Ribeiro Ranieri CONSAD
Afonso Reno Castro da Silva
Elielza Milena



Fabrício Oliveira Gomes
Suplente: Milena
Danilo Magalhães Rezegue
Alex Bruno Tavares Vieira CONSEPE
Camila Maria Monteiro Silva
Pedro Henrique de Moura Tavares
Max André




armlajovem@yahoo.com.br
phaellmarreiros@hotmail.com
talisonsilva16@yahoo.com.br
tais_ranieri@yahoo.com.br
afonso_reno@hotmail.com
moranguinho_tb@hotmail.com



fabriciopsol@gmail.com

dmrezegue@yahoo.com.br
brunualexi@hotmail.com
spmilinha@hotmail.com
pedro_sociologo@yahoo.com.br
max_pa@ig.com.br

DCE
Titular: Gabrielle Kin dos Santos Okada
biaokada@yahoo.com.br

ADUFPA
Rep. CONSAD - Lílian Simone Amorim Brito
Suplente: Benedito de Jesus P. Ferreira
Rep. CONSEPE - Vera Lúcia Jacob Chaves
Suplente: Solange Calcagno Galvão
2008 - 2010

2008 - 2010
lilianab@ufpa.br
ferreira@ufpa.br
vjacob@uol.com.br
calcagno@ufpa.br

SINTUFPA
Titular: João Carlos da Silva Santiago
Suplente: Ângela Soares de Azevedo



sintufpa@veloxmail.com.br

A UFPA ESPERA QUE OS MEMBROS DO CONSUN PRESTIGIEM O TRABALHO DA COMISSÃO ELEITORAL E HOMOLOGUEM NESTA SEGUNDA FEIRA (22-12-09) O RESULTADO DA CONSULTA DEMOCRÁTICA.

Diálogos Golpistas 03


reG: PEGA ESSA URNA !

liC: LEVA PRO CONSUN RECONTAR...

...
...
..
.

Laranjas meladas e a reunião do CONSUN

A primeira grande votação do CONSUN que deverá homologar o resultado oficial divulgado pela comissão eleitoral, é sobre a admissibilidade de uma previsível apelação da chapa laranja. Como a única possibilidade dos laranjas ainda lutarem pela nomeação de sua candidata passa necessariamente pela melação da reunião do CONSUN, este será o objetivo desesperado da estratégia antidemocrática dos derrotados pela comunidade universitária. Não existe base legal para este potencial pedido de apelação. As autoridades em Brasília já sabem do que está acontecendo na UFPA. A tese golpista é a seguinte: se houver controvérsia na reunião homologatória do CONSUN, então a reitor ainda poderá lutar, com alguma chance, pela nomeação de Regina. Parece que teremos um grande tumulto, com consequências imprevisíveis nesta reunião. O reitor que deveria ser o magistrado deste processo, é o seu principal desestabilizador. Todos na UFPA estão acompanhando estes movimentos golpistas. Pediremos para que esta reunião seja transmitida on line. Assim todo o Brasil assistirá até onde vai o desejo pelo controle oligárquico da administração superior da UFPA. É a comunidade universitária contra uma panelinha antidemocrática, que não quer largar o osso.

PT afina com Dilma

Todas as principais tendências e correntes de opinião do PT estão estrategicamente afinando o discurso. Todos reconhecem a autoridade do presidente Lula em conduzir, junto com a direção do partido, a sucessão presidencial. Dilma vem agregando amplos setores do PT. Neste rítimo de unidade petista, a oposição que se cuide. A próxima meta é unificar o bloquinho de esquerda (PSB, PDT e PC do B).

Lula e as exportações brasileiras

O governo Lula ao contrário do governo tucano disse não à ALCA, e construiu uma nova política externa. Hoje as exportações brasileiras para os EUA reduziram para 50%, até 2002 era de 70%, diminuindo a dependência de nossa economia frente ao Tio Sam. Hoje China, Índia, África do Sul, Rússia e outros países do oriente médio estão entre os novos e grandes parceiros comerciais brasileiros. Caso o Brasil mantivesse a velha política de subserviência aos interesses comerciais americanos, teríamos no contexto desta crise, virado pó. Lembram da gozação do aerolula? era a turma do neoliberalismo brasileiro tentando desmoralizar as viagens de trabalho do presidente brasileiro. Hoje todos reconhecem: a crise está chegando ao Brasil, mas provavelmente, seremos um dos povos que menos sofreremos os efeitos perversos desta crise americana.

Diálogos Golpistas 02



Os personagens:(Da esquerda para a direita) Regina Feio, Paulo de Tarso e o Deputado Paulo Rocha.

A Ocasião: última segunda feira.

O Local: Não dá para identificar o restaurante na foto.

O Apelo: Derrotados pedem apoio ao Deputado.

Responde o Deputado: O governo Lula sempre tem indicado o mais votado!

Pano, Rápido!

O almoço azedou.
...
..
.

Crise americana e a oposição de direita

Foi a ausência de regulação estatal que permitiu a ação irresponsável dos empresários americano do setor imobiliário. Hoje todos recusam na prática o modelo ultraliberal vigente dentro dos EUA. No Brasil a oposição ensaia criticar o governo Lula, como se o Brasil estivesse ultrafragilizado frente à crise internacional em curso. No mundo o que vemos é a derrota global do ultraliberalismo americano. O Brasil não está sendo gravemente atingido devido ao sistema financeiro brasileiro contar com poderosos bancos estatais como: Banco do Brasil, CEF e outros bancos públicos regionais. Caso os tucanos tivessem vencido em 2002, hoje, provavelmente, todo o sistema financeiro brasileiro estaria privatizado, e o Brasil dependeria da boa vontade dos banqueiros para a política creditícia e de juros. Estaríamos enfentando uma verdadeira tsunami, teríamos já falido economicamente como país. É preciso colocarmos esta conta no modelo neoliberal que hoje vive uma falência global.

A esquerda brasileira deveria estar batendo pesado, política e doutrinariamente, nos liberais brasileiros da oposição.

Assessoria de imprensa da UFPA não cobre as eleições para reitor

Hoje os principais jornais da cidade comentam a decisão da comissão eleitoral que negou o pedido de recontagem dos votos solicitados pela candidata Regina Feio. Nenhuma nota da assessoria de imprensa da UFPA a respeito desta importantíssima decisão.

Reunião do CONSUN: todos em alerta

Aos acadêmcios éticos, aos democratas, àqueles que respeitam as regras do jogo. Nenhum descanso aos golpistas. Todos à reunião do CONSUN. é HORA DE GARANTIR A VONTADE DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA. Tenho certeza que a maioria do CONSUN não permitirá que esta situação vexatória e humilhante continue a ocorrer com a UFPA. Que se respeite o regimento aprovado pelo CONSUN.

Recurso de Regina é julgado improcedente

O recurso protocolado pela candidata Regina Feio foi julgado improcedente por unanimidade, pela Comissão Eleitoral, por falta de amparo legal .
Amanhã terça-feira 16 de dezembro a Comissão Eleitoral divulgará formalmente o parecer.

Diálogos Golpistas 01



maG: VAMOS RECONTAR AQUELA URNA ALÍ!

VmaG: QUAL, QUAL ?????
...
..
.

Confronto imprevisível: esta será a consequência do golpe pré-anunciado

Chamo a atenção daqueles inconsequentes que estão tentando melar as eleições na UFPA. O que aconteceu na UNB será um pintinho perto do que ocorrerá caso as ações conspirativas continuem a evoluir com o estímulo da maior autoridade universitária. Quem viver verá.

A eleição da UFPA e o magistrado parcial


Todos sabem: não houve nenhum pedido de impugnação ou indicação de qualquer irregularidade no fechamento das urnas. Pedir recontagem de votos é direito precluso. A comissão eleitoral vai honrar com sua seriedade, não aceitará nenhum tipo de pressão.

A tática do golpe é a seguinte: 1- pede-se a recontagem de votos, 2- com a urna reaberta pede-se impugnação de diversas urnas onde Maneschy deu um banho, 3- Como os pedidos seriam infundados, a comissão eleitoral negaria os pedidos, 4- A chapa golpista então recorreria ao CONSUN, onde o reitor tem a maioria, 5- A reunião terminaria em pancadaria e as eleições estariam meladas, 6- Então a autonomia da decisão sairia da comunidade universitária e iria para a esfera política em Brasília. 7- Este é o roteiro de um golpe pré-anunciado.

CABE À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA ABORTA-LO.

Flávio Nassar: É Melhor prevenir


O professor Flávio Sidrim Nassar da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da UFPA em artigo publicado em O Liberal de sábado 13 de dezembro, conta detalhes do Golpe que tenta fraudar o resultado das eleições.



Um golpe contra a vontade majoritária da UFPA está sendo tramado pelos apoiadores da chapa Regina-Licurgo.
A trama já é do conhecimento de Brasília. A intenção é criar um clima propício para justificar a indicação da segunda colocada na consulta feita à comunidade, no último dia 3, vencida incontestemente pelo professor Carlos Maneschy.
A estratégia dos golpistas consistia, no primeiro momento, em desacreditar o resultado da consulta. Esperavam que fossem impugnadas urnas vindas do interior, onde, por falta de fiscalização das demais chapas, a oficial obteve maioria desproporcional e, portanto, duvidosa. Aguardavam a impugnação dessas para impugnar aquelas nas quais Maneschy ganharia a eleição. Como a impugnação das urnas do interior, aboletadas de votos de alunos de cursos não regulares incluídos à sorrelfa nas listas de eleitores, não mudavam o resultado pró Maneschy, seus advogados desistiram da impugnação.
É sempre bom lembrar que um copo vazio está sempre cheio de ar, e estavam no ar as palavras do reitor em entrevista televisiva, dizendo que o vencedor da consulta seria o nomeado: "Se não houvesse tumulto no Consun".
Com a desistência da contestação, os conspiradores passaram para a velha tática dos dossiês, que já circulam em Brasília, tentando provar que Maneschy é inelegível, pois teria sido condenado, juntamente com o ex-reitor Cristovam Diniz, por improbidade administrativa.
A tentativa de criminalizar Maneschy vem da contratação da Associação de Reitores Europeus, que, por indicação do MEC, fez a avaliação institucional da UFPA. Apesar de ter sido feito o procedimento de inelegibilidade de licitação, não foi anexado aos autos o documento comprobatório.
O ministro Raimundo Carreiro, do Tribunal de Contas da União (TCU, que relatou o processo é claro: "os serviços foram efetivamente prestados, NÃO HAVENDO LOCUPLETAMENTO POR PARTE DOS RESPONSÁVEIS."
O Acódão aprovado na sessão de 20/06/2007 determinou: "Encaminhar cópia deste Acórdão, bem como do Relatório e Voto que o fundamentam, ao Controle Interno da Universidade Federal do Pará - UFPA para que adote as providências a seu cargo relativas À BAIXA NA INSCRIÇÂO DA RESPONSABILIDADE dos Srs. Carlos Edilson de Almeida Maneschy, Cristovam Wanderley Picanço Diniz ".( A integra do relatório, voto e acórdão pode ser vista no endereço eletrônico do TCU).
Apesar de sabedores de que não há nada que incrimine Maneschy, inescrupulosamente usam a máxima de Joseph Goebbels: 'Uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade.'
Brandirão essa mentira no Consun, nos gabinetes ministeriais, entre os deputados da bancada paraense, junto à opinião pública, entre professores desavisados, etc.
Se isso causar tumulto no Consun, será razão suficiente para pedir ao Ministro da Educação que nomeie, em tempo recorde, se possível no dia seguinte à reunião do Conselho, o segundo mais votado da lista.
Essa é a conspiração, esse é o projeto do golpe.
Vão me pedir para provar, vão dizer que não estou me referindo a fatos e fazendo especulações.
Que conluio acontece à luz do dia?
Quem exigirá provas da conspiração de Amauri Kruel, Mourão Filho, Castelo Branco e dos demais conspiradores de 64?
O golpe é o resultado de uma conspirata que deu certo. Vitorioso, ele se cumpre.
A história das eleições diretas para reitor nas universidades brasileiras é a história de afirmar o principio constitucional da autonomia universitária contra as ingerências de outras instâncias de poder: partidário, estatal, corporativo, etc.
Na primeira eleição direta, em 1984, o máximo que se conquistou foi a lista sêxtupla. O segundo mais votado foi o indicado, com o apoio de forças políticas. Nas subseqüentes, o engenho universitário criou uma fórmula para eliminar possibilidades de manipulação: o candidato mais votado indicava os companheiros de lista tríplice e o Consun assumia o compromisso de indicá-los. Assim não existia disputa política fora do âmbito da universidade e a sua autonomia era respeitada.
Esse procedimento foi observado nas disputas que tiveram o fim mais pacífico.
Aos que acham que estou confabulando ao me referir a conspirações e a golpes, faço um desafio: provem que acatam o desejo expresso nas urnas, afirmem o compromisso com a autonomia da universidade e retirem-se da disputa propondo ao Consun que a lista tríplice que acompanhará o reitor eleito Carlos Maneschy para os procedimentos formais em Brasília, seja composta por pessoas por ele indicadas.
...
..
.

Reitor já estaria articulando a nomeação de Regina

Este foi o boato que circulou pela UFPA. Parece que a UFPA virará um barril de pólvora.

Eleição para reitor: nomeação do vencedor e a crônica do golpe anunciado

Está em marcha uma tática que visa golpear a democracia na UFPA. Qual a tática? melar a reunião do CONSUN.

A pergunta fatídica de Mauro Bonna no Argumento da RBA.

A pergunta: reitor o MEC respeitará o resultado da consulta? resposta enigmática do reitor, repetida por três vezes: só se não houver controvérsias no CONSUN. Entendam como queiram esta resposta, e relacionem aos últimos acontecimentos.

Só hoje a comissão eleitoral deu por encerrado a apuração.

Surpresa geral: a comissão eleitoral comunicou às chapas que apenas hoje concluiu seus trabalhos de apuração. Este fato permitiu que as chapas tenham até 24 hs para impretar recurso. E Regina vai pedir recontagem de votos.

Quem definirá o reitor da UFPA? a comunidade ou um golpista?

É a comunidade quem definirá os rumos da reitoria ou será que o atual reitor renunciará à sua história e alienará a autonomia política da UFPA e a entregará à um polítco ou burocrata estrangeiro a definição de quem administrará nossa instituição por 04 anos? será que a nossa comunidade será respeitada pelo atual reitor? ou as regras do jogo serão tratadas como potoca? qualquer tentativa de golpe terá consequências imprevisíveis.

Chapa de Regina vai pedir recontagem de votos

Mesmo sabendo que não houve nenhum recurso impetrado por nenhuma das chapas quando da abertura das urnas, a chapa de Regina vai entrar com recurso perante a comissão eleitoral pedindo recontagem de votos. Todo mundo sabe que este é um direito precluso, ou seja, não existe mais. Qualquer recurso eleitoral para prosperar teria de ser solicitado no ato da abertura das urnas, com o devido registro em ata. Como a comissão eleitoral, provavelmente vai recusar este pedido, a chapa de Regina deve recorrer ao pleno do CONSUN. Claro os conselheiros devem seguir a diretriz da comissão eleitoral. O objetivo final da tática da chapa de Regina é criar incertezas, dúvidas, para que os mesmos tenham argumentos para tentar mudar o resultado eleitoral em Brasília, nomeando a segunda colocada. Isso é inclassificável.

Só para recordarmos, a diferença pró-Maneschy corresponde a 412 votos de alunos, ou 33 votos de docentes ou a 31 votos de técnicos.